Publicidade

Publicidade

Arquivo de junho, 2011

30/06/2011 - 11:17

São Paulo recebe a Exposição Absolut Illusion

Compartilhe: Twitter

A Absolut está lançando um edição especial, Illusion, que será tema de uma exposição de arte no espaço multidisciplinar Cartel Zero Onze, em São Paulo. Com concepção e curadoria de Fernando Sappupo, Daniel Ueda, Cristian Resende e Jorge Grimberg, a exposição trará diferentes peças, instalações e pinturas que buscam seduzir e enganar o sistema visual.

A linha tênue que separa o que é real do que é ilusão permeará a exposição, que estará aberta ao público de 04 a 16 de julho com entrada gratuita, das 11h às 20h. O designer e ilustrador Ricardo Actus, famoso por seus intensos desenhos a lápis, também fará intervenções no espaço. As peças de arte vão brincar com os sentidos e pontos de vista sobre um mesmo objeto, que podem mudar em um segundo olhar.

Serviço – Exposição Absolut Illusion
Data: 04 a 16 de julho
Local: Cartel Zero Onze – Rua Artur de Azevedo 517 – Pinheiros
Horário: 11h às 20h
Entrada gratuita

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
30/06/2011 - 10:21

Trailer do documentário “Cerveja Falada”

Compartilhe: Twitter

“Diga lá Marcelo, estava conferindo no teu blog os posts sobre cerveja – quem escreve é o Demétrio da banda Repolho.

Fizemos um doc recentemente, “Cerveja Falada”, sobre um cervejeiro de SC, Canoinhas, em que a vida foi toda ela voltada para a produção artesanal de cerveja. Segue o trailer:”

Quer conhecer mais do documentário? Escreva para Demétrio Panarotto: demetriopanarotto@gmail.com

Autor: - Categoria(s): Recomendamos Tags:
29/06/2011 - 22:40

Opinião do Consumidor: Red Stripe

Compartilhe: Twitter

redstripe.jpg

A Desnoes and Geddes Limited (D&G) é uma empresa jamaicana fundada em 1918 em Kingston que produz cervejas e refrigerantes. O carro chefe da casa é esta Red Stripe, uma lager sem graça que patrocina a equipe de bobsleigh da Jamaica (bobsleigh? algo como uma corrida de trenó!) e que faz um sucesso danado no Inglaterra, um país cuja cerveja clara mais famosa é belga (Stella Artois) e a escura é irlandesa (Guiness).

Os Estados Unidos até tentaram resistir quando a Diageo (toda poderosa distribuidora da Smirnoff, do Johnnie Walker, do Baileys, da Guiness e da Jose Cuervo) comprou 51% da D&G e tentou enfiar goela abaixo dos norte-americanos a faixa vermelha. A Red Stripe não repetiu o êxito europeu, mas ainda assim é facilmente encontrada em território ianque.

Leve e refrescante como uma tradicional american lager (que aqui do lado debaixo do Equador são conhecidas como pilsens), a Red Stripe é indicada apenas para matar a sede em dias quentes. E olhe lá. Esqueça o quesito complexidade. O sabor do malte está por ali, escondido, mas o amargor acentuado no final chega a incomodar. Comparada aos títulos nacionais, Bohemia ou Original são muito melhores. E mais baratas…

Teste de Qualidade: Red Stripe
– Produto: Pale Lager
– Nacionalidade: Jamaica
– Graduação alcoólica: 4,7%
– Nota: 2,26/5

Veja também:
– Top 100 Cervejas, por Marcelo Costa (aqui)

Autor: - Categoria(s): Opinião do Consumidor Tags:
19/06/2011 - 10:36

Opinião do Consumidor: St Landelin Mythique

Compartilhe: Twitter

mythice.jpg

Da mesma cervejaria francesa que distribui a La Divine, a Amadeus (“uma cerveja branca excepcional”, dizem os donos), a La Bière du Démon (“a cerveja loura mais forte do mundo”) e a Bière du Désert, apresentada como o “champagne das cervejas”, surge a St Landelin Mythique que, consta a lenda, era produzida pelos monges da Abadia Crespin exatamente onde o fundador da abadia, St Landelin, descobriu uma fonte de água mineral natural.

O belga São Landelin, que viveu entre 625 e 686, era um ex-bandido que se converteu ao cristianismo tendo fundado três mosteiros (Lobbes, Crespin e, segundo créditos, Aulne). O segundo deles, fundado em 651 na vila francesa de Crespin, duas horas e meia distante de Paris (40 minutos de Lille), foi onde nasceu a Mythique, uma das mais antigas cervejas de abadia da França (hoje produzida pela Brasseurs de Gayant à Douai), loura, leve e forte como uma boa belga.

Apesar dos 7.5% de graduação alcoólica, a St Landelin Mythique é extremamente leve. Um dos motivos é a utilização do sistema dry hopping, em que o lúpulo entra na mistura apenas na fase de fermentação com a função de incrementar ainda mais o aroma sem aumentar seu amargor. No caso da Mythique funciona muito bem. O aroma floral é suave (com uma queda para o cítrico – mais laranja) e o sabor levemente adocicado (de poucas nuances) com final amargo de curta duração batendo na garganta.

A St Landelin Mythique está chegando ao Brasil em sua versão 750 ml com o preço (salgado) entre R$ 40 e R$ 50. É um bière de garde interessante e bem boa (sinceramente, gostei), mas talvez com esse dinheiro valha investir em outras definitivamente melhores. Uma Chimay, por exemplo.

Teste de Qualidade: St Landelin Mythique
– Produto: Bière de garde
– Nacionalidade: França
– Graduação alcoólica: 7,5%
– Nota: 3,20/5

Veja também:
– Top 100 Cervejas, por Marcelo Costa (aqui)

Autor: - Categoria(s): Opinião do Consumidor, Provamos Tags:
18/06/2011 - 23:46

O drink preferido de Toulouse-Lautrec

Compartilhe: Twitter


Henri Toulouse-Lautrec foi um pintor pós-impressionista conhecido por pintar (e curtir) a vida boêmia de Paris do final do século XIX.

Toulouse-Lautrec “faz” uma ponta no novo filme de Woody Allen, “Meia Noite em Paris”, e é responsável pela criação de um coquetel explosivo chamado carinhosamente de… Terremoto (“Tremblement de Terre” em francês, “Earthquake” se você quiser bebe-lo nos Estados Unidos).

O Tremblement de Terre é bem simples de fazer: ao contrário da foto, pegue uma taça de vinho (mas se não tiver, ok) e junte três doses de Absinto com três doses de conhaque. Acrescente gelo a gosto (ou então bata a mistura mais o gelo em uma coqueteleira). E prepare-se: o mundo vai tremer.

Leia também:
– O dry martini, por Luis Bunuel (aqui)
– White Russian – o drink do “cara” (aqui)
– “Meia Noite em Paris”,  de Woody Allen, por Marcelo Costa (aqui)

Autor: - Categoria(s): Receitas Tags:
Voltar ao topo