Publicidade

Publicidade

Arquivo de novembro, 2010

30/11/2010 - 09:57

Opinião do Consumidor: Verboden Vrucht

Compartilhe: Twitter

verboden.jpg

A cervejaria belga Hoegaarden não produz apenas a clássica e deliciosa cerveja que leva o nome da casa. Além da própria, nascida em 1966 (com a cervejaria defendendo que a receita original data de 1441), a Hoegaarden ainda fabrica a Grand Cru (1985), com 8,5% de teor alcoólico e sabor marcante; a Speciale (1995), quase uma versão de luxo da Hoegaarden tradicional; a Rosée (2007), com sabor de framboesa; e a Citron (2008), quase uma limonada com um tiquinho de álcool (só 3%).

Não presente no site oficial, mas também fabricada pela cervejaria surge a Verboden Vrucht, que em bom português significa Fruto Proibido. Não é a toa que no rótulo Adão e Eva (em imagem inspirada no quadro de Peter Paul Rubens) trocam a maçã por um copo de cerveja. A ilustração tornou esta cerveja de alta fermentação rara, já que um processo da American Bureau of Álcool, Tobacco and Firearms, nos Estados Unidos, acusou a cervejaria de pornografia, e proibiu a Verboden Vrucht em território norte-americano (veja o rótulo em alta aqui).

Uma pena, já que a Strong Ale pecadora da Hoegaarden é simplesmente uma delícia. Esqueça a delicadeza da versão tradicional (bastante refrescante, mas inocente perto da Verboden Vrucht). O álcool (8,5%) está presente e se destaca na composição, do aroma ao paladar. O primeiro é marcado por malte, algo entre caramelo e café, e também uvas passas e cravo. Já o paladar é intenso, reafirmando o que pode ser sentido no aroma – mas valorizando o adocicado, que se esconde atrás do álcool no aroma, mas surge para contrabalancear no paladar.

Fato interessante: ela fica bem mais gostosa conforme vai esquentando no copo. Seu sabor se torna mais presente (e mais adocicado e frutado, mas não enjoativo), mas não é recomendável abusar da quantidade (cuidado, cuidado com os 8,5%). Não é lá muito fácil de encontrar (principalmente pelas Américas), mas vale e muito a procura. Do mesmo estilo (e mais encontráveis) são a Chimay Azul e a poderosa Rochefort 8, duas cervejas que entram facilmente no território dos frutos proibidos. Todas pecadoras… e maravilhosas.

Teste de Qualidade Hoegaarden Verboden Vrucht
– Produto: Dark Strong Ale
– Nacionalidade: Bélgica
– Graduação alcoólica: 8,5%
– Nota: 4,41/5

Ps. Agradecimento a Marco Antonio Bart pelo presente raro :P

Leia também:
– Hoegaarden, uma cerveja leve e deliciosa (aqui)

Autor: - Categoria(s): Opinião do Consumidor, Provamos, Recomendamos Tags:
19/11/2010 - 08:46

Opinião do Consumidor: 1906 Reserva Especial

Compartilhe: Twitter

1906_cerveja.jpg

As lagers (cervejas de baixa fermentação) datam do século 14 e exibem um leque de variações que podem alegrar muito fã do estilo. Entre as claras, por exemplo, temos a Pilsner, cuja pátria mãe é a República Tcheca (e o modelo a Pilsner Urquell) e a American Lager, uma cerveja leve e refrescante para ser bebida exageradamente gelada. Sim, é essa que você e 90% dos brasileiros consomem.

Outra variação é a Vienna Lager, um estilo surgido na Áustria na primeira metade do século 18, cujas características destacam a cor avermelhada e sabor e aroma levemente adocicados pelo malte torrado. É um tipo de cerveja que sumiu do mapa durante um tempo, mas que se viu renascida em nomes como as mexicanas Negra Modelo e Dos Equis Âmbar, e nesta espanhola 1906 Reserva Especial.

Fabricada pela Estrella Galícia, a 1906 Reserva Especial homenageia a data de fundação da cervejaria espanhola, mas nasceu apenas nas comemorações do centenário da fábrica, em 2006, presenciada inclusive pelo rei da Espanha, Juan Carlos. Fundada por José Maria Rivera Curral na cidade de La Coruña, a Estrella Galícia ainda continua na família sendo administrada pela quarta geração do patriarca.

De teor alcoólico elevado para padrões brasileiros (6,5%), a 1906 chega a causar estranhamento com o álcool se fazendo presente desde o primeiro momento. O aroma é forte e marcante remetendo a milho (presente na formulação) e ao malte tostado. O paladar começa adocicado e quase licoroso, mas se torna amargo progressivamente – carregando no álcool e no malte tostado.

A 1906 Reserva Especial não parece uma cerveja para ser apreciada a qualquer hora, mas sim para momentos especiais. A favor tem o preço (importada pelo Grupo Pão de Açúcar, pode ser encontrada por cerca de R$ 3 nos supermercados da rede). Contra, o fato de que existem cervejas muito melhores para momentos especiais. Ainda assim é um tipo de cerveja interessante para ser desbravado. Numa avaliação pessoal, a Negro Modelo sai ganhando.

Teste de Qualidade: 1906 Reserva Especial
– Produto: Vienna Lager
– Nacionalidade: Espanha
– Graduação alcoólica: 6,5%
– Nota: 2,29/5

Leia também:
– Europa 2010: 68 cervejas diferentes em 30 dias (aqui)

Autor: - Categoria(s): Opinião do Consumidor, Provamos, Recomendamos Tags:
16/11/2010 - 11:16

Opinião do Consumidor: Murphy’s Irish Red

Compartilhe: Twitter

murphys.jpg

Tradicionalmente, a Red Ale é irlandesa. Lá ela é chamada também de Irish Red, e o que a diferencia das outras ales (as cervejas de alta fermentação) é sua cor avermelhada – devido ao malte tostado, que marca não só a cor como o aroma e também o paladar.

A cervejaria Murphy’s foi fundada em Cork, na República da Irlanda, em 1856, o que garante o slogan de mais de 150 anos de tradição cervejeira. Em 1983, a cervejaria Murphy’s foi vendida para a Heineken International, passando desde então a produzir, além da Murphy’s Irish Red e da Stout, a Heineken para o mercado irlandês (dominado pela lager Harp).

O negócio também serviu para exportar a Murphy’s Irish Red, uma ótima representante do estilo, para o mundo (incluive para o Brasil). O malte tostado (seu grande segredo) já é perceptível no aroma, agradável, que deixa escorrer um pouco de madeira e caramelo. O sabor segue o aroma, com o malte marcando o final com leve e interessante amargor, mas o aguado desequilibra um pouco o conjunto.

Mesmo assim, em território irlandês, para quem quiser fugir das stouts (cuja representante mais famosa é a Guiness, cerveja escura número 1 do Reino Unido) e das lagers (a Harp, cerveja número 1 da Irlanda, é leve e gostosa, mas bem parecida com as nossas), a Murphy’s Irish Red é uma excelente pedida. Não é perfeita, mas tem um conjunto bastante agradável.

Teste de Qualidade: Murphy’s Irish Red
– Produto: Red Ale
– Nacionalidade: Irlanda
– Graduação alcoólica: 5%
– Nota: 2,85/5

Leia também:
– Harp, uma lager irlandesa muito boa (aqui)
– Outras cervejas (aqui)

Autor: - Categoria(s): Opinião do Consumidor, Recomendamos Tags:
Voltar ao topo