Publicidade

Publicidade

Arquivo de outubro, 2008

27/10/2008 - 17:52

Infusor de chá de frutas

Compartilhe: Twitter

Se eu pudesse, colecionaria infusores de chá. Já vi uns muito simpáticos em forma de chaleira, de casa, mas esses da foto, no formato de frutas, são muito fofos!

Da Danesco, via Cooking Gadgets.

Autor: - Categoria(s): Utensílios Tags: ,
20/10/2008 - 15:54

Para apimentar a caipirinha

Compartilhe: Twitter

Sei que não há muito o que escrever sobre o Veloso depois do ótimo post que a Anamaria fez há uns dois meses aqui mesmo no Bebidinhas (você sabe, caipirinhas e coxinhas incríveis). Mas, como o bar é um dos favoritos da casa, o repeteco é inevitável.

O motivo é nobre: a caipirinha de tangerina com pimenta feita pelo Souza, barman da casa três vezes eleito o melhor de São Paulo pela Veja São Paulo (a mais recente este ano).

Além da tangerina e da pimenta, o drinque leva cachaça, um nadinha de açúcar e muito gelo. Perfeito para acompanhar uma feijoada num sábado à tarde!

Antes que aqueles de paladar mais delicado reclamem, vale avisar que ela não é tão ardida quanto parece. É que a bebida leva pimenta dedo-de-moça, uma variedade das mais suaves.

Mas, se mesmo as pimentas mais fracas são fortes demais para você, não tenha medo de pedir a caipirinha de tangerina simples. Também é sensacional!

Veloso Bar
Rua Conceição Veloso, 56
Vila Mariana – São Paulo, SP
Tel.: (11) 5572-0254

PS 1: Para quem quer fazer em casa, lá vai a receita da caipirinha de tangerina com pimenta. Deve ser difícil preparar uma tão boa quanto a do Souza, mas não custa tentar!

1 tangerina (com casca, sem as extremidades)
2 colheres de sopa de açúcar
8 cubos de gelo
1 pimenta dedo-de-moça pequena (sem as sementes)
50 ml de cachaça

1. Limpe bem a casca da tangerina. Corte ao meio e depois em fatias

2. Corte a pimenta ao meio. Retire todas as sementes e corte em fatias finas

3. Coloque a tangerina num copo, misture o açúcar e macere

4. Depois, acrescente o gelo, a pimenta e a cachaça, e mexa bem

5. Beba!

Autor: - Categoria(s): Provamos, Receitas, Recomendamos, São Paulo, Vila Mariana Tags: , ,
16/10/2008 - 15:33

Colarinho é LEI

Compartilhe: Twitter

No meu copo sempre foi lei dois dedos de colarinho. Pra manter o chopp gelado, saboroso e pra fazer bigodinho, rá! Mas não é que a questão chegou ao Tribunal Regional Federal?

Quando eu soube da notícia até comemorei, achei que tinham baixado um decreto mandando todos os bares servirem chope com colarinho. Mas lendo com atenção, o buraco é mais embaixo.

Tudo começou quando um restaurante de Blumenau foi multado pelo Inmetro por servir chope com colarinho. Segundo o Instituto, o restaurante estava exagerando no creme e servindo menos chope que devia.

O restaurante recorreu, dizendo que o colarinho faz parte do chope, que é a bebida em forma de espuma. E o restaurante ganhou – colarinho está dentro da lei, ninguém pode ser multado por colocar colarinho no chope. 

Masssssss… será que não tem bar por aí que sacaneia, colocando um dedinho de líquido e completando o copo só com espuma? Isso me fez parar pra pensar.

Certos mesmos estão os europeus: vocês já repararam que no pint de Guinness, ou no copão de Erdinger, ou no cálice de Stella Artois, no alto do copo, tem um risquinho com um número ao lado? Por exemplo, no pint de Guinness vem escrito “20 fl oz”. Isso significa que se tiver líquido até aquela marca, serão 20 fluid ounces (ou 591,47ml) de bebida. Acima desta marca, vem a espuma, como um extra. E aí não tem jeito de enganar o consumidor. 

Enquanto a gente não chega a este nível de sofisticação milimétrica, temos só que ficar de olho: se tem mais espuma que líquido, talvez seja o caso de reclamar. Mas se seu copo veio lindo e dourado, com dois dedos de puro creme sabor chope, saboreie e seja feliz!

Crédito da foto//Flickr de Luciano Meirelles

Autor: - Categoria(s): Sem categoria, Utilidade pública Tags: , , ,
14/10/2008 - 17:25

Clássicos paulistanos: chope com steinhäger no Amigo Leal

Compartilhe: Twitter

Tirar férias é bom por vários motivos. Um deles é poder ir a seu bar de preferência numa terça-feira, às quatro da tarde, quando todo mundo ainda está trabalhando. Dá até tristeza escrever sobre isso dentro do escritório, com o ar condicionado funcionando mal e aquele sol lá fora convidando para um chopinho. Mas vamos lá!

O tal bar das quatro da tarde de uma terça-feira é o Amigo Leal, instituição etílica paulistana que fica logo embaixo do Minhocão. Foi aberto há mais de 40 anos por Leopoldo Urban, o criador do lendário Bar Léo. Segue a mesma linha daquela casa: ótimo chope e petiscos de inspiração alemã.

O bairro se degradou bastante desde então – culpa, obviamente, do Minhocão -, mas o Amigo Leal não mudou nada: estão lá a mesma madeira escura nas paredes, a mesma toalha xadrez nas mesas, e também boa parte dos funcionários da casa.

Terça-feira é o dia de chope duplo por lá: você pede um copo e ganha outro de graça. O acompanhamento perfeito para a bebida – o garçom sugere mal você se senta na mesa – é uma dose de steinhäger. No Amigo Leal, ele fica armazenado dentro de um bloco de gelo, então chega à mesa tinindo.

Para quem não sabe o que é steinhäger: trata-se de um destilado de origem alemã, aromatizado com zimbro. O gosto lembra um pouco o do gim, só que mais forte. É para ser bebido puro, numa mini-canequinha típica. Perfeito para abrir caminho para o chope – ou então misturar mesmo, como muita gente prefere.

Se não der para ir numa tarde de terça-feira, não se preocupe: o bar funciona todos os dias. De segunda a sexta, abre das 16h à 01h; sábados, das 12h à 01h; e domingos, das 17h até meia-noite. O chope duplo, infelizmente, é só às terças.

Amigo Leal
Rua Amaral Gurgel, 165
Vila Buarque, São Paulo – SP
Telefone: (11) 3223 6873

PS: a foto é do site oficial do Amigo Leal. Viu as três mini-canequinhas? O Steinhäger é servido nelas.

Autor: - Categoria(s): Centro, Provamos, Recomendamos, São Paulo Tags: , ,
10/10/2008 - 23:17

Conjunto de chá à francesa

Compartilhe: Twitter

Mas você já viu conjunto de chá mais de madame que esse da Sur la table? O bule em forma de Torre Eiffel praticamente implora para que o chá seja acompanhado de madeleines!

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
07/10/2008 - 00:29

Eu bebo sim, e estou vivendo

Compartilhe: Twitter

Velho BukSeria hipocrisia minha dizer que muitos dos grandes escritores da história nunca tiveram certa afinidade com o álcool. Tampouco seria bobagem deixar de associar alguns de seus feitos aos drinks a mais ou àquela sede insaciável do “dia seguinte”.

E é em homenagem a esses que nunca dispensaram uma saideira – mesmo passando da conta em alguns momentos – que citarei abaixo os literatos que nunca sofreram a ressaca moral, típica dos simples mortais, gente como a gente. E melhor: aproveitaram esses momentos para deixar para a humanidade algo melhor do que um “Te considero pacas”.

Top of the pops

– Jack Kerouac
– Jack London
– F. Scott Fitzgerald
– Edgar Allan Poe
– Willian Faulkner
– Charles Bukowski
– Ernest Hemingway
– Hunter S. Thompson
– Charles-Pierre Baudelaire

Vocês acham que faltam alguém na lista? Opinem!

Cheers!

 

Autor: - Categoria(s): Se meu copo falasse..., Utilidade pública Tags: , ,
06/10/2008 - 12:13

Opinião do Consumidor: 8.6 Red

Compartilhe: Twitter

 Teste de Qualidade: 8.6 Red
– Produto: cerveja
– Nacionalidade: holandesa
– Graduação alcoólica: 7,9%

Da cidade de Tilburg, na Holanda, surge a 8.6 Red, variante adocicada da popular 8.6, uma das marcas holandesas mais famosas no mundo. Fabricada pela cervejaria Bavaria NV, a mais antiga da Holanda (aberta em 1719, mesmo ano da produção inicial da 8.6), esta versão vermelha é uma cerveja de baixa fermentação cujo gosto artificial de cereja marca o paladar.

De sabor (que, segundo três amigos que a experimentaram, lembra muito a nossa Malzibier) e cheiro adocicado, toques levemente amargos no final e uma belíssima coloração vermelha natural, a 8.6 Red é uma cerveja com notas de malte e caramelo que, a exemplo de várias cervejarias européias, também utiliza trigo em sua fórmula, embora este ingrediente não se pronuncie.

Seu teor alcoólico elevadíssimo (7,9%) em contraste com seu sabor adocicado (apesar do amargor final) pode enganar o consumidor: cuidado, uma latinha de 500 ml (como costuma ser importada para o Brasil) pode deixar os menos experientes “altinhos” com bastante facilidade. É uma cerveja interessante para se beber de vez em quando, principalmente como acompanhamento de peixes, carnes e queijos.

No Brasil, a lata de 500ml pode ser encontrada em empórios e lojas de bebidas entre R$ 8 e R$ 11.

Autor: - Categoria(s): Opinião do Consumidor, Provamos, Recomendamos Tags: , , ,
02/10/2008 - 09:03

Copos com silhuetas de cidades

Compartilhe: Twitter

Copos com desenho sempre correm o risco de cair no pecado do mau gosto, mas esses da Design Museum Shop são incríveis. Já pensou tomar um Bailey’s on the rocks neles? Hum…

:: Via Cooking Gadgets. ::

Autor: - Categoria(s): Sem categoria Tags:
Voltar ao topo