Publicidade

Publicidade

Arquivo de agosto, 2008

28/08/2008 - 12:51

O que fazer com o saquinho do chá?

Compartilhe: Twitter

Eu não tenho muita paciência de esperar a infusão do chá pra levar minha caneca para outros cantos da casa. Também não fui agraciada com uma daquelas xícaras que têm um “bolso” específico para o saquinho de chá.

A solução que encontrei? Usar a minha coleção de potinhos com desenhos de baiacus para guardar o saquinho! Assim consigo dar um uso pra esses potes e pratinhos fofos que se compram por impulso ou simpatia, mas que quase nunca têm uma utilidade prática.

Autor: - Categoria(s): Utensílios Tags:
27/08/2008 - 15:26

Vodca boa, preço melhor ainda

Compartilhe: Twitter

Uma garrafa de vodca Absolut no Brasil custa assim uns R$ 60 reais, certo?

Errado.

Esse é o preço médio e a idéia geral, mas você nunca aprendeu com sua mãe que é preciso pesquisar preços antes de comprar qualquer coisa? Isso também vale para as bebidinhas. Porque é só assim, olhando preços, que você pode descobrir que em qualquer mercado Dia (e existem muitos por aí), uma garrafa da boa vodca sueca sai por apenas R$ 44,90. Ela fica escondida atrás dos caixas, um pouco tímida, mas pode procurar: ela está lá.

E então com essa uma economia de cerca de R$ 15 você pode complementar sua compra com alguma outra bebida para preparar um drink ou uns petiscos salgados para acompanhar.

Se você não quer nem sair de casa, também dá para economizar. O site da Americanas oferece um litro de Absolut purinha por R$ 49,90, o frete é grátis e dá até para pagar em duas vezes.

Vale lembrar que a Absolut é fabricada desde 1879 e vem lá da região sul da Suécia.  Esses suecos sabem mesmo como viver…

Tabela de preços:

Dia: R$ 44,90
Americanas.com: R$ 49,90
Pão de Açucar: R$ 57,90
Sonda: R$ 59,90

Autor: - Categoria(s): Recomendamos, Utilidade pública Tags: , ,
26/08/2008 - 12:01

Me embriagando de whisky com Guarah

Compartilhe: Twitter

Sou a favor dos drinks tradicionais: Cuba Libre, Gim e Tônica e Whisky com Guaraná. E ao experimentar o Guará, a versão suave do guaraná Antárctica, tinha que descobrir se a novidade combinava com a água escocesa.

O Guarah é perfeito pra quem gosta de guaraná, mas acha o refrigerante doce demais. E a ausência daquele melaço que fica na boca ao tomar o guaraná faz com que ele se dê muito bem ao ser misturado com o whisky. Dá uma adocicada sem deixar a bebida enjoativa. Recomendo! Fora que é um dos drinks mais simples do mundo.

Receita de Whisky com Guarah (ou guaraná mesmo)

  • \~/ Uma dose de whisky
  • \~/ Dois dedos de Guará
  • \~/ Gelo

Modo de fazer: Coloque o gelo em um copo baixo. Adicione o whisky e depois o guaraná. Gire o copo para fazer aquele barulhinho de gelo batendo no copo de whisky e pronto!

Sugestão: Pra quem gosta de hortelã, colocar algumas folhas deixa a bebida mais refrescante e com uma cor linda.

Para beber ouvindo “Dois pra lá, dois pra cá”.

Autor: - Categoria(s): Provamos, Receitas Tags: , ,
25/08/2008 - 18:22

Vai uma “loira européia” aí?

Compartilhe: Twitter

Calma lá, seus taradões. A loira em questão aqui nada tem a ver com a imagem que vocês, espertinhos, possivelmente visualizaram em suas mentes férteis.

Antes que imaginem uma mocinha da Letônia de biquíni, adianto que me refiro a uma deliciosa (uhhh) cerveja tcheca. A “Czechvar”, conhecida em algumas regiões como “Budvar”, é tradicional do país da Europa Central, e destaque-se entre as demais cervejas européias graças ao seu toque adocicado de baunilha.

Seu teor alcoólico é o mesmo da popular belga “Stella Artois”: 5,0%. Seu aroma é de malte e lúpulo floral, o que significa, em outras palavras, que seu cheiro é de cerveja boa.

A “Czechvar” (não consigo pronunciar) é bem leve – apesar de não ser tão fraquinha assim – e pode servir como acompanhamento para alguns pratos salgados, como um kebab, por exemplo.

A cerveja que também possui toques de maçã (hummm) pode ser encontrada em diversos bares e/ou pubs especializados em produtos importados. No Brasil ela é distribuída pela Uniland Export.

Eu experimentei-a pela primeira vez no restaurante Kebabel, que fica na Rua Fernando de Albuquerque, esquina com a Rua Augusta, aqui em São Paulo. Para quem mora em outros estados, sugiro que entre em contato com a importadora para obter mais informações.

Cheers

Serviços

Kebabel
Rua Fernando de Albuquerque, 22
Próximo ao metrô Consolação
Consolação – Zona 0 – (011) 3259-1805

Autor: - Categoria(s): Provamos, Recomendamos, São Paulo Tags: , , ,
25/08/2008 - 14:16

Onde encontrar a melhor água com gás do mundo?

Compartilhe: Twitter

Muita gente acredita que água com gás é tudo igual. Eu discordo. E tenho cacife para tanto. Não sei exatamente se foi esse o motivo que me colocou na posição de editor do iG Crianças, mas o fato é que em 29 anos de existência jamais coloquei uma gota de álcool na boca. E sim, isso quer dizer que nunca provei champagne no Reveillon, vinho na macarronada de domingo e cerveja nos bares de São Paulo.

Antes que alguém pense que essa atitude está ligada a um culto religioso, trauma de infância ou problemas genéticos, afirmo que não pertenço a nenhuma seita, nunca apanhei de parentes bêbados quando criança e possuo um fígado em perfeito estado de conservação.

Agora que já deixei claras minhas credenciais, vou seguir com o tema proposto que é água com gás. Existe uma infinidade desse tipo de bebida nos bares e mercados das cidades, mas uma marca supera as demais. No caso, a água gaseificada de São Lourenço.

Para quem não conhece, a cidade mineira de São Lourenço tem como principal cartão postal o Parque das Águas, que consiste numa enorme área verde onde foram construídas fontes de águas minerais específicas.

Uma dessas águas é a famosa água gasosa, engarrafada e distribuída pela Nestlé. Essa água, ao contrário da maioria disponível no mercado, não é gaseificada artificialmente. Isso mesmo, o grande lance das águas de São Lourenço é o fato de que elas “brotam da terra” assim, com um gosto específico de minerais naturais. E essa naturalidade, por assim dizer, é o que torna o seu gosto incomparável.

Mas infelizmente a água “gasosa” não chega sequer aos pés da melhor de todas as fontes existentes no Parque das Águas. E quando afirmo isso estou me referindo a melhor de todas as águas que já tomei na minha vida, que é a água mineral carbogasosa ferruginosa.

Desde pequeno freqüento o balneário de São Lourenço com meus pais, e a grande expectativa após horas de viagem até lá é sentir o sabor de “ferrugem” que só essa bebida possui. Tenho certeza de que ali “o criador” gastou uns minutos a mais.

Mas como nem tudo é perfeito, descobri a duras penas que o gosto da ferruginosa não resiste mais que dois ou três dias após ser engarrafada, o que sempre me impediu de apreciar seu sabor no sofá de casa. Paciência.

Mas a dica está aí: se quiser beber a melhor água com gás do mundo, rume para São Lourenço e procure pela Fonte Primavera no Parque das Águas. Se não tiver paciência, contente-se com a inigualável água gasosa nos melhores bares, cafés e restaurantes da cidade.

Autor: - Categoria(s): Minas Gerais, Recomendamos, São Lourenço Tags: , , ,
24/08/2008 - 23:58

Se beber não dirija – sério.

Compartilhe: Twitter

A idéia era fazer um post divertidinho. Mas acabei de chegar em casa (vinda do bar, claro) e recebi a notícia que um motorista bêbado bateu no carro de um familiar meu ontem a noite, fazendo com que esse meu familiar capotasse o carro. Está tudo bem, depois de muito bate-boca e uma ida à delegacia, esse meu familiar pôde voltar pra casa numa boa, mas aí me deu um clique. Esse assunto não é divertidinho. É muito SÉRIO.

A gente adotou um selinho escrito “se beber não dirija”, vocês viram? Tá ali na coluna da direita. Se vocês não repararam, o “semáforo” do selinho é feito de caipirinhas do Veloso. Porque, como diz o Daniel do Drink Drinker, “dirigir é paia, beber é doido” (ele é mineiro, gente, deu pra notar?). E é o que a gente pensa também. Não há razões pra encher a cara e pegar o volante, gente. Nossos reflexos ficam mais lentos, nossa capacidade de decisão também, e as chances de acontecer algum acidente são multiplicadas por MUITAS. Se esses motivos não eram suficientes pra você, bem, agora tem a Lei Seca, que pode te levar pra cadeia. Que beleza, hein?

Então, gente, vamos beber sim. E voltar pra casa à pé, como eu fiz hoje. Ou pegando um táxi, ou contratando os serviços de um motorista como fazem meus amigos que moram longe do centro. Ou pegando um ônibus, ou bebendo em casa mesmo, ou dormindo na casa de um amigo depois da noitada. O que não dá é para correr riscos e oferecer risco às pessoas que sairam de casa e querem voltar numa boa.

Tá?

Outro dia eu faço um post engraçadinho, prometo.

Autor: - Categoria(s): Utilidade pública Tags:
24/08/2008 - 15:02

Provamos: Chá de doce de leite da Matte Leão

Compartilhe: Twitter

O Bebidinhas nem estava pronto ainda e nos passaram o chá da Matte Leão. Como assim, chá de doce de leite??? Sim, você não está lendo errado! É chá de doce de leite mesmo! O cheiro ao tirar o plástico que envolvia o pacote era meio enjoativo, bem doce mesmo. E eu, que sou louca por chás, fui provar o bicho.

O cheiro doce surge novamente assim que o saquinho é colocado na água, e ele fica até o final da xícara. O gosto também é adocicado, doce demais pra mim, que não costumo colocar nada de açúcar em chás. Achei bem esquisito, mas recomendo pra quem está de regime e quer dar uma tapeada bebendo algo docinho.

Autor: - Categoria(s): Provamos Tags: , ,
22/08/2008 - 09:02

Cachaça de raiz de pica de anta

Compartilhe: Twitter

Cuiabá não é chamada de Hell City por acaso, a cidade é um forno. Nos dias em que estive lá era comum o termômetro da rua marcar 37º durante o dia e 31º à noite – isso que um motorista disse que tivemos sorte, porque havia chovido no fim de semana anterior. Devia querer me convencer que, como era começo de agosto, estávamos no inverno.

Quem reclamava do tempo seco em São Paulo precisa sentir um pouquinho só o que é Cuiabá. Basta dizer que eu entrava no quarto e corria para a pia do banheiro encher a boca de água pra acabar com a secura. Para combater esse estado, só mesmo muita água e um delicioso refrigerante Marajá sabor maçã verde que compramos eu e um amigo. Não é brincadeira, o refrigerante era bom mesmo.

Bem, almoçávamos todos os dias no restaurante Regionalíssimo, com comidas típicas da região, feitas à base de muito peixe (especialmente Pacu) e bem temperadas com pimenta. As bebidas típicas da região também marcavam presença. Em uma mesa ao lado da porta de entrada havia várias delas, cachaças e licores de todos os tipos. Olhando a foto, não é difícil descobrir qual a mais pitoresca e que todos tomavam.

No primeiro dia relutei em beber a tal da cachaça de raiz de pica de anta, mas no sábado não teve jeito. O sabor era meio seco e o líquido desceu queimando a garganta. Confesso que não senti nenhum gosto peculiar. Mesmo assim, é uma boa cachaça para se ter em casa e tomar com os amigos antes daquele almoço de final de semana. Vale, pelo menos, pelo inusitado da coisa.

De qualquer forma, em termos de bebidas regionais de Cuiabá, eu fico com a Marajá de maçã verde. Juro que tem gente pensando em trazer várias para São Paulo.

Me apresentando: Tiago Agostini, trabalho na home do iG e sou responsável pelo blog Balada do Louco. Em tempos de menos dinheiro (a tal da adolescência) já tomei muita vodca e cachaça baratas com qualquer refrigerante que houvesse. Hoje bebo basicamente cerveja e caipirinha, mas não dispenso uma boa dose de tequila (gosto de vinho, mas beber sozinho é deprimente). Para mim, a melhor cerveja é a Heineken. Prefiro Original a Bohemia e Brahma a Skol, mas como todo bom gaúcho afirmo que a melhor cerveja nacional é a Polar.

Crédito da foto: Cirilo Dias flickr do Urbanaque

Autor: - Categoria(s): Mato Grosso Tags: , , ,
21/08/2008 - 10:32

O tamanho da dose

Compartilhe: Twitter

Jack and cokeConhecer outro país envolve sempre um grande leque de surpresas e nem todas são agradáveis. Em julho, passei ótimos dias de férias no Reino Unido, mas uma das surpresas desagradáveis da viagem foi descobrir que lá os drinks (gim com tônica, Jack and coke) vinham com gosto de suquinho. E por um motivo bem simples: a dose de bebida alcoólica nos drinks tinham sempre exatamente 25 ml, que eram afogados nos componentes não alcoólicos da receita.

No Brasil, a gente sabe, o tamanho da dose varia de acordo com a generosidade e o humor do barman, além de depender de seu grau de amizade com a pessoa, mas em geral a fartura é a regra. Fora daqui, a coisa é menos espontânea.

Mas quem está certo?

Ninguém, claro. Tudo depende da cultura e da história do lugar. Mas para evitar embaraços, vale uma pesquisada. E por uma procura rápida no Google percebe-se que alguns dos melhores lugares para se beber, segundo uma listinha do site da Absolut, são a França (com a dose variando de 40 a 50 ml) a Islândia (30 a 60 ml), Israel (50 a 60ml) e a Venezuela (metade do copo cheio de gelo ou depende da boa vontade do barman). Minha busca rápida também aponta o Japão como uma nação que valoriza um drink forte, enquanto a Inglaterra aparece como um dos mais rigorosos servindo 25 ml ou 35 ml, junto com a Áustria que conta como drink meros 20 ml.

Portanto, para evitar futuras decepções, recomendo que você guarde esta listinha e pense em consultá-la quando for planejar a sua próxima viagem. Ou então siga uma dica simples: você sempre pode pedir uma dose dupla.

***

Primeiro post pede uma apresentação: sou jornalista do iG Música, gosto de vodca e ainda devo falar muito sobre isso por aqui, mas vivo mesmo é à base de leite desde que me conheço por gente. Se eu tivesse que escolher uma única coisa para levar para a ilha deserta, levaria uma vaca.

Crédito/Foto: Flickr howyadoin

Autor: - Categoria(s): Utilidade pública Tags: ,
20/08/2008 - 19:33

Com que copo eu vou?

Compartilhe: Twitter

Nosso amigo Daniel Poeira, do blog Drink Drinker, fez um post de utilidade pública que vocês não podem deixar de ler.

Ele, muito didaticamente, explicou as diferenças entre os copos “de shot”, “de martini”, “old-fashioned”, “highball” e “collins”.

Você sabe qual é mais indicado para qual drink? E o porquê de ser mais indicado? E a história deles?

Vai lá ler!

Autor: - Categoria(s): Utensílios, Utilidade pública Tags:
Voltar ao topo